Sonhos doces: empreendedorismo e solidariedade

Alessandra Aparecida Neves

Sonhos doces: empreendedorismo e solidariedade

Projeto de Alessandra Aparecida Neves

Contribuição do projeto para a educação

A relevância está que o projeto desenvolveu o protagonismo juvenil, a solidariedade, a
empatia e o empreendedorismo. A turma envolvida no projeto criou junto comigo uma
empresa na sala de aula. Durante dois meses, a turma vendeu doces com o objetivo de
arrecadar dinheiro para ajudar uma instituição de caridade da cidade de Dourados.
Enquanto os doces eram vendidos no intervalo do período matutino, em sala, as aulas
caminhavam de maneira a contemplar a empresa, fosse com as produções textuais, fosse
com leituras.

Aspectos curriculares atendidos pelo projeto

Em primeiro momento, o objetivo era trabalhar uma metodologia ativa que fizesse com
que os alunos produzissem textos com a língua portuguesa adequada, pois, estando dentro
de uma empresa, eles teriam para quem produzir este texto. O que faria com que cada um
buscasse aprender mais aspectos gramaticais. Com o passar dos dias, o projeto foi
desenvolvendo o protagonismo, o empreendedorismo e a solidariedade.

O projeto Sonhos Doces: Empreendedorismo Solidário faz consonância com várias das
competências gerais do BNCC. Em destaque as competências: Conhecimento (1),
Comunicação (4), Autogestão(6), Empatia e Cooperação (9).

Valorização da diversidade e inclusão

Como o projeto consistiu na criação de uma empresa na sala de aula, cada aluno tinha uma
função dentro dela. Alguns alunos ficaram responsáveis pelas vendas, outros pela parte
financeira, um grupo cuidou do marketing. Ou seja, cada aluno pode colocar em prática
suas habilidades e competências.

Atividades desenvolvidas no Projeto

1o Passo- Apresentei o projeto à turma. Expliquei detalhes de como seria. Ou seja, que
construiríamos uma empresa de doces na turma. Que os doces seriam vendidos durante o
intervalo. Na sala, aprenderíamos gêneros textuais empresariais e comerciais. E mais, que todo dinheiro arrecadado seria revertido para ajudar uma instituição de caridade da cidade.
Projeto proposto por mim, projeto aceito pela turma.

2o Passo- Levei à sala o data show e o notebook, li para sala algumas cartas de solicitação, logo após expliquei o objetivo do gênero textual e ensinei a estrutura. Logo após, a turma e eu produzimos juntos uma carta de solicitação para ser entregue à direção da escola. O objetivo era que a turma fosse autorizada de vender doces durante os intervalos do matutino. A carta de solicitação foi escrita e entregue ao diretor que autorizou a criação da empresa.

3o Passo- Discutimos como conseguiríamos os primeiros doces para iniciar a empresa e
quais doces seriam vendidos. Ficou decidido que a empresa seria iniciada com doações.
Cada aluno doou R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos) para o início da empresa. Com o
dinheiro conseguido, compramos um pacote de bombom de R$ 19,90 (dezenove reais e
noventa centavos). No primeiro dia de empresa, os alunos conseguiram vender todos os
bombons durante o intervalo do matutino por R$ 1,00 (um real).

4o Passo- Levei duas aulas para dividir o que cada aluno faria na empresa. Cada discente foi contemplado na sua habilidade e competência. Alguns alunos montaram grupo de vendas, outros encaixaram-se no marketing e na propaganda e outros na parte financeira. Cinco grupos foram criados para a venda, assim não sobrecarregaria ninguém nos intervalos, pois cada equipe trabalhava um dia na semana. O dinheiro das vendas eram passados para o grupo que estava no financeiro. Parte do dinheiro era revertido para compras de doces para suprir a empresa. Cada doce comprado, os alunos faziam a conta por quanto deveria ser vendido.

5o Passo- Com a empresa indo de vento em poupa, era necessário um nome. Diante disso,
trabalhei com a turma quais são os requisitos necessários para que a empresa tenha um
nome que chame atenção. Feito isso, a turma foi dando possíveis nomes para a empresa.
Coloquei os nomes dados no quadro, fizemos uma votação decidir qual seria o nome.
Usamos duas aulas para escolher o nome.

6o Passo- Trabalhei com a turma o que é slogan e quais as características devem estar
presente. Aproveitei para trabalhar verbo no imperativo e a função apelativa da linguagem.
Levei à sala vários slogans de marcas famosas. Até que a turma produziu o slogan para a empresa deles. Levamos duas aulas para essa metodologia.

7o Passo- Nas aulas, trabalhei com a turma vários gêneros textuais utilizados em empresas públicas e privadas. Um dos gêneros textuais trabalhados foi a ata. Levei à sala o data show, o notebook e algumas cópias de modelos de atas. Dividi a turma em grupo de quatro a cinco alunos, pedi para que lessem as atas e que pontuassem algumas características. Anotei todas as informações no quadro.

8o Passo- A turma aprendeu sobre ata na aula anterior, sendo assim, convoquei uma
reunião na sala para que a turma falasse como andava a empresa. Levei à sala o data show e o notebook com o objetivo de que a turma escrevesse uma ata. Pedi para que a secretária sentasse junto ao notebook e anotasse o que os colegas fossem falando sobre a empresa. Como tudo que a secretária estava escrevendo aparecia no quadro por causa do data show, aproveitei para ensinar o uso adequado da vírgula, regência verbal e nominal, concordância verbal e nominal e outros aspectos relevantes da língua.

9o Passo- Peguei duas aulas para ensinar aos alunos como fazer cones trufados. Fui ao
Youtube e assisti a filmes que ensinam fazer cones trufados. Peguei R$ 60,00 (sessenta
reais) da empresa dos alunos e comprei cones, brigadeiro, granulado e embalagem. Levei à sala um fogão elétrico de uma boca, uma panela, colher e os produtos para a produção dos cones trufados. Foi uma aula muito interessante, pois cada aluno produziu um ou mais cones trufados. Durante a aula, aproveitei para retomar o verbo no imperativo conforme ia ensinando a produção dos cones. Também pontuei que pode ser algo que usem no futuro como meio de vida. Usamos duas aulas para produzir 60 (sessenta) cones recheados. Parte dos cones os próprios alunos compraram por R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos) para ajudar a empresa, o restante foi vendido no intervalo. E mais, ensinei à turma a importância de deixar o espaço organizado e limpo. Faltando dez minutos para terminar a aula, pedi para que me ajudassem a organizar a sala. Aliás, os doces trufados foram os mais vendidos na empresa depois desta aula, pois os grupos se reuniam fora da escola para produzir cones trufados e bombons para venderem durante os intervalos. Lembrando que todo produto para fazer os cones e os bombons era comprados com o dinheiro da empresa. Com algumas exceções, pois alguns pais e professores doaram para a empresa.

10o Passo- Durante o projeto, escolhia sempre uma aula para trabalhar gêneros textuais
empresariais e comerciais. Por exemplo, trabalhei com a turma memorando, circular, e-mail e relatório. Usei duas aulas para cada gênero textual. Sempre produzia junto com a turma o gênero trabalhado no dia.

11o Passo- Levei à sala o filme “Coahc Carter- treino para a vida” para passar com a turma. Usei três aulas para passar o filme e uma para fazer a compreensão e interpretação oral. Fiz o possível para que a turma fizesse analogia com o filme e os obstáculos diários da vida deles e de pessoas que eles convivem.

12o Passo- Levei à sala textos variados sobre empreendedorismo, solidariedade e
protagonismo juvenil. Dividi a turma em grupos de quatro alunos, pedi para que lessem os
textos, que conversassem no pequeno grupo sobre o que leram e depois compartilhassem o
que leram com o restante dos alunos. Foi um momento interessante.
13o Passo- Os dias se passavam, a empresa funcionava bem dentro e fora da sala. Mas
chegou o momento de decidir para qual instituição de caridade o dinheiro da empresa seria revertido. Foi decidido que o dinheiro seria revertido em produtos higiênicos para o lar de idosos de Dourados. Em um dia previamente agendado com a coordenação, direção e pais e responsáveis, os alunos foram levar os donativos ao lar dos idosos. Ficaram por quatro horas no lar. Foi um momento de grande aprendizado.

Instrumentos utilizados na avaliação

Utilizei a autoavaliação.

Usei a rubrica da seguinte forma: Fiz um caderno com o nome de cada aluno e criei uma
tabela para cada um com níveis de desempenho. Coloquei objetivos e estabeleci níveis de
aprendizado e domínio de conteúdo. Levei em consideração a habilidade e a competência
de cada aluno.

Resultado observado

O desempenho de quase todos os alunos foi excelente. Praticamente todos se envolveram
muito no projeto. Era como se eles realmente fossem sócios da empresa.

O texto deste projeto foi enviado pelo autor e é de responsabilidade do autor deste projeto.

Projeto ajuda no desenvolvimento de quais competências?

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

100 horas diárias

100 horas diárias

Público-alvo do projeto.

Fundamental II

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

Parque

Escola Pública

Escola Particular

Quantidade adequada de participantes.

35 participantes

35 participantes

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Imprimir Página