Projeto de identidade

Jacqueline Martins de França Pollisson

Projeto de identidade

Projeto de Jacqueline Martins de França Pollisson

Contribuição do projeto para a educação

Perceber-se como um ser único e pertencente a um grupo em que cada indivíduo possui semelhanças e diferenças é um processo importante na construção da identidade.

Conhecer a origem do nome, as diferentes configurações das famílias, a origem dos avós, sua altura e peso, e outras informações que dizem respeito a sua construção como pessoa faz com que as crianças percebam as diferenças e possam aprendam a respeitar todos os demais colegas e, por conseguinte, as pessoas que fazem parte do seu convívio.

Além disso, as crianças aprendem a pesquisar, a conversar e dividir informações, a respeitar pontos de vista, a saber ouvir e falar, a trabalhar em equipe, a agir de forma empática e a
entender e nomear seus sentimentos.

Esse projeto permitiu, de forma lúdica, que os estudantes conhecessem diversos aspectos das culturas africana e indígena, por meio de brincadeiras, artes e culinária. O meio ambiente e a importância de regenerá-lo, também aparece nas discussões das crianças que, por meio da empatia, ampliaram seu olhar para o mundo como um todo.

Mais do que saber ler e escrever, construir coisas e desvendar o universo tecnológico, as crianças estão desenvolvendo habilidades socioemocionais, que acredito serem fundamentais para transformar a sociedade em que vivemos.

Aspectos curriculares atendidos pelo projeto

O projeto foi proposto a fim de integrar objetivos da Base Nacional Comum Curricular, Comunicação Não Violenta e alguns Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

As competências socioemocionais estão presentes nas dez competências gerais da BNCC, tamanha sua importância para a vida.

Por meio do projeto, os estudantes são convidados a conhecer sua história; perceberem-se como seres únicos; desenvolverem autocontrole mediante situações adversas; entenderem como o corpo reage a determinados sentimentos e o que podemos fazer para nos sentir melhor; perceberem o que suas ações podem causar no outro e encontrarem meios de solucionar conflitos por meio do diálogo; enxergarem o conflito como algo positivo e cheio de bons momentos de reflexão; saber ouvir e falar tendo em vista que o direito de falar está sempre resguardado; agirem de forma consciente, levando em conta os sentimentos das pessoas envolvidas, inclusive o seu próprio; refletir sobre suas ações.

Valorização da diversidade e inclusão

Valorizar as habilidades de cada estudante é algo rotineiro em nossa sala de aula. As deficiências existem, mas procuramos não ressaltá-las. As próprias crianças adquiriram o costume de valorizar o que os colegas deram o seu melhor e se esforçaram muito para fazer.

Segundo eles, “uns são bons em desenhos com formas e outros arrasam nos desenhos abstratos e todos são ótimos!”

As atividades (corporais ou em fichas) são sempre as mesmas, mas com as adaptações necessárias para que todos no grupo participem e sintam-se acolhidos. Durante uma assembleia, as crianças propuseram que houvesse um rodízio entre os integrantes dos grupos durante o movimento livre. Esse momento no pátio é livre para as crianças brincarem e explorarem sem atividades dirigidas e, eles próprios, perceberam que algumas crianças estavam brincando sempre nos mesmos grupos. Levaram o assunto para a assembleia e criaram um meio de todos brincarem com todos sem distinção. E tem dado certo.

Atividades desenvolvidas no Projeto

Tenho o privilégio de atuar em uma escola socioconstrutivista, que me permite trabalhar com projetos. Dessa forma, não existe um passo a passo fechado. Esse ano, o projeto passou por uma nova reestrututação, levando em conta as necessidades e curiosidades dessa nova turma. Isso acontece todos os anos.

Aula 1 – Conversa sobre os sentimentos
As crianças falam sobre o que já conhecem sobre sentimentos e criamos uma lista com os nomes das emoções que já conhecem, tendo a professora como escriba.

Aula 2 – Dança dos sentimentos
Com base na lista que criamos juntos, fazemos uma brincadeira tipo “estátua”, que eles deram o nome de “Dança dos Sentimentos”. Colocamos uma música e quando pausamos a professora fala um dos sentimentos da lista e a turma deve expressá-lo corporalmente. Faz-se isso com todos os sentimentos da lista.

Aula 3 – Mural dos sentimentos
Criamos um mural onde os estudantes podem expressar concretamente o que estão sentindo.

Aula 4 – Mediação e uso das palavras
Temos um cantinho de meditação na sala e, quando alguma criança se sente muito agitada e incapaz de controlar seu corpo, ela pode pedir para ficar um tempo nesse canto até conseguir encontrar o autocontrole.

Além disso, todos os dias reforçamos a importância de que cada um use suas palavras para resolver os conflitos. Caso seja não seja possível, eles devem chamar um adulto para ajudá-los na mediação.

Aula 5 – História “Tenho Monstros na Barriga”, de Tonia Casarin
Leitura da história e conversa sobre a percepção da turma.

Aula 6 – Gráfico de dentes
Percebemos que as crianças estavam muito animadas com os dentes moles. Fizemos, então, um gráfico com os dentes perdidos de cada criança. Pudemos trabalhar matemática, ciências e artes por meio desse gráfico.

Aula 7 – Receita que mais gosto
Os estudantes trouxeram a receita saudável que mais gostam de comer, para que façamos essa culinária na escola. Além disso, os estudantes foram apresentados a receitas que crianças de várias partes do mundo gostam também, por meio da leitura do livro na Unicef “Crianças como você”.

Aula 8 – O que nos diferencia dos outros animais?
Surgiu, dentro do grupo, a pergunta sobre o que nos tornava diferentes dos animais. Fizemos uma roda de conversa, para que cada um apresentasse seu ponto de vista e pesquisamos em livros, assistimos vídeos, conversamos com os familiares e pesquisamos na internet.

Aula 9 – Meu corpo serve pra quê?
Após a leitura do livro “Minha Mão é uma Régua”, de Kim Seong-Eun e Oh Seong-Min as crianças ficaram curiosas para desvendar os mistérios do corpo e das medidas. Partiram, então, para a exploração do espaço utilizando o próprio corpo. Essa exploração ampliou-se para uma pesquisa mais detalhada sobre os instrumentos de medida.

Aula 11 – Peso e altura
As crianças foram convidadas a conhecerem suas medidas atuais e as que tinham ao nascer.

Aula 12 – O que são características? Com espelho sozinho
Aula 13 – O que são características? Memória
Aula 14 – Jogo “Quem Sou Eu?”
Aula 15 – Autorretrato – lápis grafite e sulfite branca
Aula 16 – Oficina de jeitos de traçar
Aula 17 – Autorretrato – Giz de cera colorido e cartolina branca
Aula 18 – Desenho continuado
Aula 19 – Autorretrato – escultura

Uma série de atividades sobre autoconhecimento e características físicas, utilizando vários materiais e recursos, a fim de que as crianças percebessem suas diferenças, semelhanças e a importância de se respeitar cada um. Apresentamos diferentes formas de se fazer autorretrato e retratos de crianças de diferentes partes do mundo, além de artistas como Frida Khalo.

Aula 20 – Meu lugar preferido no mundo
Conversamos sobre diferentes tipos de moradia e as crianças foram convidadas a analisar a imagens do site https://www.hypeness.com.br/2013/04/serie-fotografica-mostra-onde-dormem-algumas-criancas-ao-redor-do-mundo/ (Links para um site externo.), que mostra o dormitório de várias crianças. Depois, elas foram convidadas a conversar sobre o que sentiram vendo as imagens e quais são os seus lugares preferidos no mundo. Fizeram uma maquete após isso.

Aula 26 – Minha brincadeira preferida
Fizemos uma lista de brincadeiras que a turma mais gostava de brincar e, por meio disso, os estudantes foram apresentados a outras brincadeiras que crianças de várias partes do mundo gostam.

Aula 29 – Entrevista
Em duplas, as crianças entrevistaram colegas do 2o ano para saber sua preferências quanto a: fruta, brincadeira e cor. Depois, cada dupla fez uma tabela e um gráfico das preferências que encontrou.

Aula 32 – O que são características de personalidade?

Aula 33 – Jogo “Quem Sou eu?”
Atividades para falar sobre características de personalidade, o que são e como identificamos.

Aula 34 – História do meu nome

Aula 35 – Origem do meu nome
Entrevistando as famílias, os estudantes tiveram acesso a diversas histórias sobre a escolha do próprio nome e origem dos familiares.

Aula 36 – Fotografia

Aula 37 – Mural de crescimento
Fizemos um mural de crescimento na sala e conversamos sobre os desafios e conquistas que a turma já teve até então.

Aula 37 – Minha certidão de nascimento
A certidão de nascimento foi apresentada e utilizada como ferramenta de leitura.

Aula 38 – Conhecendo crianças diferentes de mim
Exploração do livro “Crianças como Você”, da Unicef.

Aula 39 – Eu e minha família
Desenho e escrita dos membros da família.

Aula 40 – Escrita do livro “Quem Sou Eu?”
Após todo o processo de autodescoberta, os estudantes serão convidados a escrever uma autobiografia.

Aula 41 – Confecção de livro coletivo “Quem sou eu?”
Com base em um roteiro de perguntas, feito em conjunto com as crianças, vamos montar um livro com informações sobre cada um.

Aula 42 – Finalização do livro “Quem sou eu?”
As crianças farão autorretratos com os materiais que escolherem. Essas imagens formarão a capa do livro e estarão nas respectivas páginas também.

Aula 43 – Sessão de autógrafos
As famílias serão convidadas a uma tarde de autógrafos com a turma.

Instrumentos utilizados na avaliação

A avaliação ocorre por meio do portfólio individual dos estudantes e do relatório de desenvolvimento pedagógico, enviado às famílias semestralmente.

Resultado observado

O desempenho dos estudantes é avaliado diariamente, durante as participações nas atividades propostas. Procuramos ressaltar, como já dito, as habilidades. As dificuldades são trabalhadas e estimuladas de forma que as crianças evoluam da melhor forma possível, se desafiem e atinjam os objetivos propostos, com base no currículo da instituição de ensino.

O texto deste projeto foi enviado pelo autor e é de responsabilidade do autor deste projeto.

Projeto ajuda no desenvolvimento de quais competências?

ConhecimentoComunicaçãoTrabalho e projeto de vidaAutoconhecimento e autocuidadoEmpatia e cooperaçãoResponsabilidade e cidadania

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

2 horas diárias

2 horas diárias

Público-alvo do projeto.

Médio

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

Parque

Escola Pública

Escola Particular

Quantidade adequada de participantes.

0 participantes

0 participantes

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Imprimir Página