Projeto da água: de gota em gota, a gente economiza e o planeta agradece.

Juliana Santos de Araújo

Projeto da água: de gota em gota, a gente economiza e o planeta agradece.

Projeto de Juliana Santos de Araújo

Contribuição do projeto para a educação

O projeto orienta professores, alunos e a comunidade no trabalho de conscientização do
uso da água, mostrando suas múltiplas formas de uso, consequências, os ciclos da mesma e
sua importância para a vida.
Nós precisamos economizar água para promover a sustentabilidade do nosso planeta e
garantir o abastecimento das gerações futuras.
O consumo de água no planeta cresce a cada dia e esse recurso natural é a fonte de vida
para a humanidade.
Boas práticas de economia de água devem ser implantadas imediatamente, pois as mesmas
contribuem para a utilização de forma mais racional de um recurso que fica a cada dia mais
escasso.

Aspectos curriculares atendidos pelo projeto

Observando alguns hábitos das crianças e o desperdício de água enquanto realizavam a
higiene diária (escovar os dentes e lavar as mãos), conseguimos aprofundar o assunto e
investigar o histórico de mau uso da água não só na escola, mas em casa, com seus
familiares.
O projeto foi desenvolvido com base no currículo da BNCC, a partir dos conteúdos
temáticos de Ciências do Ensino Fundamental nos anos iniciais.

4.3.1.1. CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS INICIAIS:
UNIDADES TEMÁTICAS, OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES
“Assim, ao iniciar o Ensino Fundamental, os alunos possuem vivências, saberes iniciar o
Ensino Fundamental, os alunos possuem vivências, saberes, interesses e curiosidades sobre
o mundo natural e tecnológico que devem ser valorizados e mobilizados. Esse deve ser o
ponto de partida de atividades que assegurem a eles construir conhecimentos
sistematizados de Ciências, oferecendo-lhes elementos para que compreendam desde
fenômenos de seu ambiente imediato até temáticas mais amplas. Nesse sentido, não basta
que os conhecimentos científicos sejam
apresentados aos alunos. É preciso oferecer oportunidades para que
eles, de fato, envolvam-se em processos de aprendizagem nos quais possam vivenciar
momentos de investigação que lhes possibilitem exercitar e ampliar sua curiosidade,
aperfeiçoar sua capacidade de observação, de raciocínio lógico e de criação, desenvolver
posturas mais colaborativas e sistematizar suas primeiras explicações sobre
o mundo natural e tecnológico, e sobre seu corpo, sua saúde e seu
bem-estar, tendo como referência os conhecimentos, as linguagens e
os procedimentos próprios das Ciências da Natureza”.
CIÊNCIAS DA NATUREZA – ENSINO FUNDAMENTAL pág 331.

Valorização da diversidade e inclusão

Todos se envolveram na construção do nosso projeto. Pensamos em como poderíamos
compartilhar os conhecimentos obtidos e só então surgiu a ideia de expandir, conciliando a
alfabetização e letramento com a criatividade, para atingir a todos.
É possível ir mais além: material impresso e registro audiovisual, para que de alguma forma
aceitemos e pratiquemos “novos hábitos “, independentemente da cultura, da classe social e
das atitudes anteriores. O mundo grita por socorro e como diz o aluno Eduardo Alcântara:
“a água não é infinita”.

Atividades desenvolvidas no Projeto

Iniciamos com a história do livro: “Nadine, uma gota no oceano” de Ademar Lopes Junior,
através de um teatro.

O livro conta a história de Nadine, uma gotinha do mar que aprendeu com o ciclo da água
a sua importância para a vida na Terra. Uma hora como vapor, outra como chuva, outra
nas torneiras, Nadine revela a cada página do livro conceitos da renovação, a necessidade
de mudança de atitudes, a vida em sociedade, a responsabilidade de conservação do meio
ambiente e o trabalho.

Posteriormente, conversamos sobre os conhecimentos prévios de cada criança, suas
hipóteses, seus hábitos e o conceito que cada um tinha a respeito do uso consciente da
água.

Por meio de nossa apostila (Sistema Uno), estudamos os diversos ambientes aquáticos
existentes em nosso planeta, desde os mares, praias e oceanos, lagos e lagoas, cachoeiras e
rios, aprendemos a diferença de cada um deles e como o lixo descartado em lugares
inapropriados acaba prejudicando nosso meio ambiente, matando os animais marinhos,
provocando alagamentos e até causando doenças como a Dengue, Zica e chikungunya
(pela água parada).

Cada conteúdo foi apresentado de forma diferente: através do material didático, atividade
extraclasse, teatro no pátio, vídeos no projetor, músicas, rodas de conversa, pesquisas,
entrevistas, registros escritos/orais. Cada etapa foi desafiadora e permitiu que os alunos
explorassem o tema de forma ampla, usufruindo de cada espaço da escola e todos os
recursos tecnológicos disponíveis.

Em seguida, usamos a técnica de sala de aula invertida: os alunos se dividiram em três
grupos e ficaram responsáveis por três temas: importância da água, água poluída e falta de
água. Através de jornais e revistas, foram desafiados à buscar notícias atuais, como imagens
e notícias que representassem o objetivo de estudo cada grupo. Mudamos o formato da
sala de aula, alterando a disposição das mesas e cadeiras e o conteúdo foi apresentado por
eles ao restante da turma.

Depois de buscar todas essas informações e conhecer melhor a realidade atual, houve a
necessidade de colocar em prática o que se aprendeu, em busca de um mundo melhor, mais
sustentável e mais humanizado.

Mãos na massa e a criatividade em ação, partimos para a atividade maker: cada aluno
construiu um protótipo do seu ambiente aquático com materiais encontrados no jardim da
escola (pedras, folhas, gravetos e sementes).
Cada aluno utilizou uma placa de papelão como a base e a colagem dos materiais colhidos,
algodão e papéis coloridos. Também utilizaram pintura com tinta guache e desenhos
representando os animais.

Fizemos uma pesquisa com nossos familiares para descobrir a opinião de cada um sobre a
responsabilidade com o nosso planeta e o uso da água sem desperdícios. Os alunos fizeram
a entrevista com três pessoas do seu convívio familiar.
Descobrimos que grande parte dos entrevistados se sente responsável pela nossa situação
atual, porém, desconhecem o real tamanho do problema da falta da água e não sabem por
onde começar a fazer sua parte, mudando e deixando velhos hábitos para trás.
Pensamos então nas possíveis “soluções ” para resolver as situações-problema que
encontramos em nosso caminho. Uma das ideias partiu de uma das crianças: construir uma
máquina que transformasse água suja em água limpa. Depois de discutir muito sobre o
assunto, os alunos puderam testar suas hipóteses na experiência “Filtro de Água” e
descobriram que é possível transformar a água suja em água limpa, através de um processo
simples, sem muitos custos.
Fomos ao laboratório da nossa escola e todos participaram ativamente dessa prática.
Construímos e preenchemos uma tabela para analisar e avaliar as etapas de cada processo,
expandindo nossas possibilidades de reuso, captando água da chuva e da máquina de lavar,
por exemplo.
No mesmo dia, os alunos levaram uma atividade previamente pensada e planejada para
fixar o conteúdo e ensinar um pouco do que aprenderam aos seus familiares, estimulando a
alfabetização e letramento.

Como consequência de toda essa investigação, pensamos em como poderíamos
compartilhar com todos o que havíamos aprendido, de forma clara e objetiva, reunindo as
dicas e informações mais úteis, facilitando a mudança de hábitos e conscientização do uso
correto da água.
Esse momento foi de extrema importância e satisfação aos nossos alunos.
Todos contribuíram de alguma forma para que o projeto se consolidasse: desde a marca, o
símbolo, a identidade visual, a frase de efeito, crachás de identificação, desenhos autorais e
a confecção do panfleto.

Utilizamos a tecnologia ao nosso favor: passamos as fotos e registros dos celulares e i’Pads
utilizados na escola para o computador, aproximando o aluno da realidade virtual.

Finalizamos esse projeto com um jogo educativo de tabuleiro, captando o uso correto e
incorreto da água, onde você consegue avançar ou não dependendo da sua “atitude
sustentável”. O jogo permite aprender de forma lúdica e desenvolve múltiplas habilidades
em nossos alunos.

Créditos: Escola Monteiro Lobato
Produção e edição: Professora Juliana Araujo
Criação: Alunos do 1° Ano C – 2019
Logo: Samuel Morais
Frase de Efeito: Henrique Soares, Jhenifer Fialho e Caio Barbosa.
Imagens: Eduardo Alcântara, Giovanna Ribeiro e Guilherme Lopes
Destaques: João Pedro, Pedro Henrique, Guilherme Ferreira Giovana Mayumi e Manuella
Mendes.

Instrumentos utilizados na avaliação

Livro: “Nadine, uma gota no oceano”, de Ademar Lopes Junior, apresentado em forma de
teatro;
Revistas e Jornais e cartolinas;
Atividade Maker – colagem (papelão, folhas, sementes, cola, tinta guache, cola colorida,
papel cartão, ganhos e plantas);
Projetor;
Material didático;
Computador;
Música:
Planeta Água – Guilherme Arantes – YouTube
Registro de cada parte do processo através de celular e i’Pad.

Resultado observado

Os alunos participaram de forma entusiasmada de cada parte do processo, desenvolvendo
seus conhecimentos de forma lúdica e inovadora.
Puderam construir parte do projeto com sua identidade, compartilhando tudo o que
aprenderam.

Desenvolveram hábitos conscientes e relevantes sobre o uso da água, demonstrando isso
no cotidiano escolar.

Foi gratificante ver que todos estão mais conscientes, ressaltando a importância de fazer a
sua parte pelo nosso planeta.
Sinto que o objetivo foi cumprido enquanto tentamos trilhar um rumo à um futuro melhor.

O texto deste projeto foi enviado pelo autor e é de responsabilidade do autor deste projeto.

Projeto ajuda no desenvolvimento de quais competências?

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

20 horas diárias

20 horas diárias

Público-alvo do projeto.

Fundamental I

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

Parque

Escola Pública

Escola Particular

Quantidade adequada de participantes.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Imprimir Página