Projeto amigos da horta

Graziela Boaszczyk Dalcastagner

Projeto amigos da horta

Projeto de Graziela Boaszczyk Dalcastagner

Contribuição do projeto para a educação

O Projeto Amigos da Horta possui uma grande relevância dentro do contexto educacional, pois por meio deste projeto realiza-se pontes de aprendizagens.

Com a interdisciplinaridade dentro do Projeto Amigos da Horta, trabalha-se as ciências naturais no dia a dia na horta, também realizam-se atividades de matemática, como a medição dos canteiros, a quantidade de mudinhas, entre outros. A partir da vivência na horta, realizam- se atividades escritas e matemáticas em sala, trabalhando desta forma, o letramento e a escrita. Também com este projeto, pode-se trabalhar os temas transversais, que englobam os valores sociais, como o trabalho em equipe, o respeito, a cooperação, empatia e solidariedade, tanto no dia a dia na horta, como também nas receitinhas culinárias.

Nesse sentido, destaca-se que o Projeto amigos da horta é relevante para a educação brasileira, pois o mesmo se trata de um projeto amplo, significativo e interdisciplinar.

Aspectos curriculares atendidos pelo projeto

Estimular hábitos saudáveis e o contato com a natureza é de suma importância para o desenvolvimento das crianças, pois por meio da horta podem-se trabalhar diversas habilidades e competências, através dos questionamentos das crianças, das suas observações e também pela interação com a o meio e com os amigos.

Conforme a BNCC, a concepção de criança como ser que observa, questiona, levanta hipóteses, conclui, faz julgamentos e assimila valores e que constrói conhecimentos e se apropria do conhecimento sistematizado por meio da ação e nas interações com o mundo físico e social não deve resultar no confinamento dessas aprendizagens a um processo de desenvolvimento natural ou espontâneo. Ao contrário, impõe a necessidade de imprimir intencionalidade educativa às práticas pedagógicas na Educação Infantil, tanto na creche quanto na pré-escola (PPP SESI ESCOLA EDUCAÇÃO INFANTIL, p.53, 2019).

Com isso, pode-se identificar que as atividades na horta irão aprimorar habilidades fundamentais para o desenvolvimento global, considerando inclusive, todas as singularidades de cada criança, respeitando as suas limitações, ritmos e características específicas. Para isso, percebe-se a necessidade do professor como instigador do processo de aprendizagem, promover vivências significativas, onde que cada criança possa “[…] compreender as relações com a natureza, com a cultura e com a produção científica […] nas experimentações com materiais variados, na aproximação com a literatura e no encontro com as pessoas” (PPP SESI ESCOLA EDUCAÇÃO INFANTIL, p.53, 2019).

A partir das experiências que os alunos do Grupo Manacá vivenciam, posteriormente realizam-se atividades escritas, pois é perceptível o interesse e vontade de aprender a escrita entrelaçada com o letramento. Nesse sentido, o ato de ler e/ou escrever acontece naturalmente sem coagir a criança, ou seja, a partir das vivências, dos erros, do diálogo, a criança aprende, cria e recria. Assim sendo, destaca-se a importância de estimular o contato com diversos textos, livros, atividades que envolvam as letras, afinal, vivemos em uma sociedade letrada e isso se torna significativo “[…] para que as crianças possam construir sua capacidade de ler, e às práticas de escrita, para que possam desenvolver a capacidade de escrever autonomamente” (PPP SESI ESCOLA EDUCAÇÃO INFANTIL, p.58, 2019).

Justifica-se também que na proposta do Projeto Amigos da Horta, trabalha-se o raciocínio lógico matemático, sendo esta, uma das habilidades fundamentais para o desenvolvimento significativo e efetivo das crianças.

A construção do conhecimento matemático na educação infantil deve incidir no desenvolvimento de estruturas do pensamento lógico-matemático. Assim, consideram-se experiências-chave para o processo de desenvolvimento do raciocínio lógico e para a aquisição da noção de número as ações de classificar, ordenar/seriar e comparar objetos em função de diferentes critérios (PPP SESI ESCOLA EDUCAÇÃO INFANTIL, p.61, 2019). Diante disso, destaca-se que o trabalho visando o aprimoramento do raciocínio lógico matemático está diretamente contextualizado com as vivências que as crianças realizam na horta, sejam elas, a medição dos canteiros, a quantidade das mudas plantadas, a quantidade das hortaliças que as crianças colheram, bem como, na produção das receitas culinárias. Outro ponto interessante do Projeto Amigos da Horta é a interação que o mesmo propõe.

o Grupo Manacá realizou interações com crianças de 2 a 3 anos, crianças de 4 a 5 anos, crianças de 5 a 5 anos e 11 meses (outras turmas da pré escola), crianças do Primeiro Ano do Ensino Fundamental, e alunos da APAE de Brusque. Nessa perspectiva, vale considerar a importância da interação com o outro, pois é por meio destas interações que as crianças criam e recriam a aprendizagem, como verdadeiros protagonistas do processo de ensino e aprendizagem. Por meio das interações, a criança se percebe e percebe o outro, amplia seu senso de responsabilidade e cooperação, considera o outro, observa a pessoa com deficiência como uma criança, olhando-a através das suas características, pois todas as crianças, pessoas possuem habilidades e competências que precisam ser valorizadas, nesse sentido, o projeto visa a empatia e a cidadania também.

Valorização da diversidade e inclusão

O Projeto Amigos da Horta valorizou a inclusão e a diversidade por meio da nossa proposta pedagógica de realização de atividades em grupos pequenos (4 a 5 crianças), onde que todos puderam interagir, respeitar a limitação do amigo, a dificuldade e singularidade.

Com esse trabalho em grupo, ressalta-se que todas as crianças participaram de todos os processos realizados na horta e posteriormente na sala. Destaca-se também que, foi trabalhado com os pequenos a questão da pessoa com deficiência, onde que em roda de conversa, conversamos sobre as deficiências e também sobre a APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais. A partir desta conversa, fomos até a APAE de Brusque/SC prestigiar a sua mostra de trabalhos e também conhecer um pouquinho mais sobre o Projeto de Horta deles, nesse sentido, realizamos uma inclusão inversa. Em outro momento, um grupo de alunos da APAE de Brusque, vieram até a nossa escola para realizar o plantio das alfaces. Foi um momento muito significativo, onde houve uma interação muito legal e construtiva, respeitando, incluindo e trabalhando em equipe. Foi muito divertido!

Atividades desenvolvidas no Projeto

ETAPA 01: Limpeza inicial: Fomos até a horta e limpamos os nossos dois canteiros, para poder posteriormente preparar a terra para realizar o plantio das hortaliças.

ETAPA 02: Preparação da Terra: Esta preparação ocorreu em parceria com os pais, onde que eles juntamente com seus filhos preparam a terra para o plantio. Cada família trouxe enxada, rastelo entre outros materiais para auxiliar o preparo da terra.

ETAPA 03: Inicialmente na roda de conversa, expliquei para as crianças que no nosso Projeto Amigos da Horta estará totalmente contextualizado com receitas culinárias e também com alimentação saudável. Diante disso, dialoguei com as crianças sobre a atividade que seria feita: Desenho de observação do abacaxi. Antes de desenharmos o abacaxi as crianças pegaram o abacaxi na mão, sentiram a sua casca áspera e também realizaram diversas falas “Prô, o abacaxi tem coroa!!!”, “Prô sabia que eu já comi abacaxi e ele é bem azedo!”. A partir dessas falas dialogamos sobre algumas características do abacaxi e também da sua importância nutricional para os nossos organismos.

ETAPA 04: Suco de abacaxi: Após o desenho finalizado, preparamos um delicioso suco de abacaxi. As crianças adoraram participar deste momento, manuseando os utensílios de cozinha para preparar o suco.

ETAPA 05: Sugestão para o Plantio e Pesquisa Online: Inicialmente as crianças sugeriram algumas hortaliças e frutas que gostariam de plantar. Após isso, os pequenos pesquisaram, utilizando a internet: o que o Grupo Manacá poderá plantar no mês de junho? Para isso, organizamos equipes para realizar a pesquisa, onde que posteriormente será realizado a votação referente a qual hortaliça irá ser plantada.

ETAPA 06: Votação: A partir da pesquisa, as crianças perceberam que não se pode plantar qualquer tipo de hortaliça no mês de junho, nesse sentido, as crianças escolheram quatro opções: beterraba, couve, cenoura e brócolis. Com isso, iniciamos a votação, cada criança escolheu a sua hortaliça preferida, e as que ganharam foram à cenoura e a couve.

ETAPA 07: Plantio da couve: Inicialmente utilizamos a régua para medir os canteiros para o plantio. Nesse sentido, para a marcação após a medição, utilizamos os barbantes. Quando finalizamos as medidas, iniciamos o plantio das mudas de couve.

ETAPA 08: Cuidados diários: Todas as semanas, de duas a três vezes (dependendo do clima), regamos e observamos se há invasores nas nossas couves.

ETAPA 09: Compra das sementes de cenoura: O Grupo Manacá foi até o Barni Garden Center, que fica localizado próximo a escola, para comprar as sementes de cenoura. Chegando no Barni, a vendedora explicou para os pequenos qual a forma correta de semear a cenoura e também os cuidados necessários para que as cenouras cresçam com qualidade. Depois disso, as crianças compraram as sementes.

ETAPA 10: Explicação do Sr. Natal (Auxiliar de serviços gerais) de como se semeia a cenoura: Fomos até a horta juntamente com Sr. Natal e ele explicou para o Grupo Manacá como que se semeia as cenouras. Diante disso, semeamos a cenoura e posteriormente regamos a nossa couve.

ETAPA 11: Receita – Salada de Frutas: O nosso Projeto Amigos da Horta está diretamente relacionado com a alimentação saudável. Nesse sentido, também estimulamos o gosto e hábito pelas frutas. Levando em consideração isso, é necessário estimularmos as crianças a comerem frutas, pois a alimentação é aprendida, é conhecendo, experimentando, que a criança vai criar hábitos saudáveis. Assim sendo, realizamos uma deliciosa salada de frutas, onde que todos os pequenos do Grupo Manacá ajudaram!

ETAPA 12: Semeando a Rúcula: Antes das férias de julho, semeamos a Rúcula em vasinhos de garrafa pet que as crianças trouxeram para colorir aqui na escola. Após finalizada a pintura dos vasos, fomos até a horta e pegamos terra boa para semear a rúcula. Cada criança levou a sua rúcula para casa, e também uma atividade de relato de experiência. Quando retornamos das férias, após duas semanas, cada criança trouxe a sua rúcula. As crianças estavam tristes, pois as sementes da rúcula não vingaram, nesse sentido, trabalhei com os pequenos a frustração. Porém ficou a dúvida: Por que a rúcula não cresceu? Diante disso, as crianças relatam algumas hipóteses e posteriormente descrevemos as hitópses, utilizando canetinhas e papel.

ETAPA 13: Roda de Conversa com o Sr. Natal: Chamamos o Sr. Natal para participar de uma conversa, onde os pequenos questionaram: Por que a Rúcula não cresceu? Faltou sol? Faltou água? Coloquei muita água será? Diversos foram os questionamentos. Assim sendo, Sr. Natal explicou que provavelmente a rúcula não havia crescido pois a semente estava mais velhinha e por isso não vingou quando foi semeada.

ETAPA 14: Plantio de Chás com o Grupo Pitangueira: O grupo Pitangueira cuidam do plantio dos chás aqui no Sesi escola. Assim sendo, conversei com a Professora Kétine para realizarmos uma integração, envolvendo o nosso grupo Manacá (crianças de 5 a 5 anos e 11 meses) comas crianças do grupo Pitangueira (crianças de 2 a 3 anos). A proposta que organizamos, foi no sentido de trabalharmos o quanto saudável é beber chá e também o plantio e cuidados dos chás. Durante um mês, nos organizamos em equipes e a cada semana plantamos um chá, sendo eles, erva doce, camomila e hortelã. Na ultima semana apenas regamos e colhemos algumas folhas para a realização da etapa 12.

ETAPA 15: Colheita das folhas de chás: Juntamente com o grupo Pitangueira, fomos até a horta, no canteiro deles e colhemos as folhinhas dos chás. Também colhemos as folhinhas do chá erva cidreira (que já havia na escola) e levamos até a cozinha para as cozinheiras prepararem o nosso chá.

ETAPA 16: Integração Grupo Pitangueira: No final do dia sempre temos o lanche, às 17h10. Assim sendo, em uma quinta-feira, realizamos a degustação dos chás plantados pelas crianças do grupo Manacá e do grupo Pitangueira. Assim sendo, as crianças do Grupo Pitangueira vieram até a nossa sala, onde realizamos uma grande roda para degustar o chá. Após a degustação as crianças brincaram juntas.

ETAPA 17: Desenho de observação – chás: a partir do plantio dos chás que realizamos, cada criança escolheu o seu chá preferido e realizou um desenho de observação do mesmo, e após isso também realizou a escrita do nome do chá.

ETAPA 18: Suco de laranja com couve: Fomos até a nossa horta e colhemos algumas couves. Após isso cada criança manuseou os utensílios de cozinha e auxiliou na produção do suco. Por fim, as crianças experimentaram o suco e adoraram!

ETAPA 19: Cuidados diários da horta: Fomos até a nossa horta, onde que limpamos os canteiros, arrancando os matinhos, por fim também regamos as nossas couves e cenouras.

ETAPA 20: Torta salgada de couve: Juntamente com as crianças colhemos a nossa couve e posteriormente preparamos a torta salgada de couve, onde que com a receita trabalhamos as quantidades e também medidas.

ETAPA 21: Integração com o grupo Chuva de Ouro: No final da tarde de uma quinta- feira, realizamos a integração com o grupo Chuva de Ouro (crianças de 4 a 5 anos). Esta integração estava direcionada com o nosso projeto, onde que compartilhamos com o grupo Chuva de Ouro, a nossa torta de couve e eles compartilharam conosco, o seu suco de abacaxi.

ETAPA 22: Atividade escrita Torta de Couve: A partir da vivência realizada na produção da torta de couve, cada criança realizou uma atividade de letramento referente aos ingredientes e quantidades utilizadas para preparar a torta de couve. Nesse sentido, eu fui questionando cada criança “Quantos copos de leite utilizamos?” eles respondiam “2 copos”. A partir da fala de cada criança, eu perguntava “Quais letras possuem na sílaba CO?” e as crianças iam respondendo, foi bem significativo!

ETAPA 23: Desenho de observação couve: Cada criança observou e desenhou a couve em uma folha A3. Também escreveram o seu nome completo na atividade.

ETAPA 24: Tinta Natural de Couve: Fomos até a horta e colhemos algumas couves para preparar a tinta natural. Chegamos à sala e expliquei para as crianças que iríamos utilizar, cola, couve e água para fazer a tinta natural. Assim sendo, batemos tudo no liquidificador e a nossa tinta ficou pronta.

ETAPA 25: Pintura do desenho de observação – couve: Após a tinta pronta, as crianças iniciaram a pintura do desenho de observação da couve. O fundo da atividade os pequenos pintaram com tinta acrílica.

ETAPA 26: Roda de conversa e Replantio das cenouras: Na roda de conversa dialogamos sobre o que havíamos visto na outra semana, ou seja, observamos que as nossas sementes de cenoura não vingaram todas. Diante disso, o grupo decidiu reagrupar as cenouras e também colher algumas para levar para casa e fazer uma salada deliciosa!

ETAPA 27: Medição das cenouras: Após reagruparmos as cenouras, colhemos algumas para que cada criança levasse para casa 2 cenourinhas. Em seguida, abordei com as crianças que as nossas cenouras não estão crescendo todas da mesma forma, e nem do mesmo tamanho. Assim sendo, medimos a menos cenoura e a maior. A menos possuía 6cm e a menor 11 cm de comprimento.

ETAPA 28: Picadinho: Cada criança trouxe um ingrediente para prepararmos um picadinho de cenoura, pepino, milho, queijo, presunto, ervilha e maionese. As crianças auxiliaram todo o processo, foi muito divertido.

ETAPA 29: Integração com Grupo Sombreiro: No final da tarde realizamos uma integração com o grupo sombreiro, onde que as crianças deste grupo prepararam um pão de beterraba. Nesse sentido, compartilhamos o nosso picadinho e eles compartilharam o pão de batata. Foi um mometno muito prazeroso!

ETAPA 30: Visita a Mostra de trabalhos da APAE de Brusque: Fomos até a APAE de Brusque, que fica localizada nas proximidades da escola. Ao chegarmos lá, conhecemos toda a mostra de trabalhos, desde as atividades de comunicação alternativa, até as atividades realizadas na horta da APAE.

ETAPA 31: Chorume: No dia em que fomos reagrupar as cenouras percebemos a presença de alguns invasores. Com isso, fomos procurar entender mais sobre o Chorume com o Grupo Bananeira. Aprendemos com os integrantes do Grupo Bananeira (crianças de 4 a 5 anos), que o Chorume é o xixi das minhocas e que ele pode nos ajudar com os invasores. Diante disso fomos até os nossos canteiros na horta, e regamos a nossa horta com chorume.

ETAPA 32: Integração com o 1o Ano do Ensino Fundamental: Realizamos uma integração com o 1° ano do ensino fundamental onde que jogamos o bingo das hortaliças e das frutas. Cada criança trouxe uma hortaliça ou fruta para poder dar de premiação. Foi um momento divertido e interativo, as crianças demonstraram muito interesse.

ETAPA 33: Receita Bolo de Cenoura: Fomos até a nossa horta e colhemos as cenouras que vingaram, que aliás, estavam lindas! Após a colheita, iniciamos a nossa receita de bolo de cenoura. Todas as crianças participaram do preparo da receita, medindo e quantificando os ingredientes. Após isso, realizamos uma integração com o grupo Pau Brasil para degustar o nosso delicioso bolo juntamente com o suco de abacaxi que eles prepararam.

ETAPA 34: Atividade de escrita embaraçada: A partir da vivência do bolo de cenoura, realizamos uma atividade onde havia uma coluna com palavras embaraçadas e outra coluna com as letras na sequência correta. Diante disso, cada criança teve que visualizar e ligar a palavra embaraçada com a palavra na sequência correta. As crianças demonstraram bastante interesse em realizar a atividade.

ETAPA 35: Integração com os alunos da APAE de Brusque: Em uma bela tarde, um grupo de alunos da APAE de Brusque, vieram até a nossa escola para realizar o plantio das alfaces. Realizamos todo o processo, desde a medicação do canteiro até o plantio das Alfaces, foi um momento super divertido, com integração, inclusão, solidariedade e trabalho em equipe.

ETAPA 36: Atividade escrita da Receita do Picadinho: A partir da vivência realizamos uma atividade de escrita espontânea, onde que a partir da fala da criança (sons das letras), as crianças escutavam e escreviam a palavra. Foi bem interessante, pois a maioria das crianças identificaram as vogais e algumas consoantes.

ETAPA 37: Roda de conversa com a Nutricionista: Em uma linda a tarde, a nossa nutricionista Simone, veio até a nossa sala para conversar com os pequenos sobre a importância de ingerir alimentos saudáveis e também sobre a questão do desperdício. Foi um momento bem rico e de aprendizado, onde que as crianças puderam realizar perguntas e compreender um pouquinho mais sobre a alimentação e as ações erradas que resultam o desperdício.

ETAPA 38: Camisetas Projeto Amigos da Horta: Para fechar o nosso projeto, criamos a nossa camiseta do Projeto Amigos da Horta, onde que as crianças desenharam a horta do seu jeitinho. Também utilizamos a técnica de pontilhismo nas camisetas. Elas ficaram lindas! Todos os pequenos adoraram esta atividade proposta.

Instrumentos utilizados na avaliação

Utilizamos na horta: regador, pás, rastelos, mudinhas; terra; redes de proteção e chorume.

Em sala utilizamos: folha A4, lápis de escrever; lápis de cor; canetinha; tinta guaxe, tinta natural; pincel; fola A3; caixa de pizza; notebook; cadeiras; mesas; quadro; borracha e apontador.

Nas receitas utilizamos: hortaliças e frutas variadas; trigo; açúcar; óleo; água; ovos.

Resultado observado

Compreendo que a avaliação é um processo formativo, que deve ocorrer em toda a prática docente, no decorrer das atividades e não somente no final da atividade ou do semestre. Levando em consideração isto, percebo o quanto que os alunos evoluíram de forma significativa, tanto em relação aos conteúdos trabalhados, como também na vivencia com o outro, ressaltando a questão do trabalho em equipe e cooperação. Percebi também uma evolução gritante no sentido das funções psicológicas superiores, onde que o grupo anteriormente possuía muita dificuldade em se concentrar e reter atenção nas atividades propostas, hoje com o projeto, percebo quanto que eles evoluíram, se tornaram crianças mais ativas e atentas nas propostas ofertadas. Outro aspecto relevante, é a questão do letramento, onde que é perceptível a evolução, o interesse, a busca das crianças pelo mundo letrado, e aprender por meio de suas vivencias, a criança aprende com significado e não de forma mecânica.

Assim sendo, as crianças sentiram prazer em aprender, disposição em querer saber como se escreve cenoura, enfim, entre tantas outras aprendizagens. Encontramos dificuldades no caminhos, os pequenos cometeram alguns erros, mas esses erros nos motivaram a evoluir e não os classifiquei como bons ou ruins, mas busquei estratégias diferentes que auxiliaram a cada criança aprender. Diante disso, avaliando de singular, todo o grupo evoluiu, cada um no seu ritmo, no seu tempo e com as suas próprias singularidades, mas evoluíram, e esta evolução foi perceptível, para mim professora, para os demais colegas da escola e inclusive para os pais. Por fim, destaco que todos os pequenos evoluíram em todos os aspectos, e que foi um prazer realizar este trabalho significativo que ultrapassou os muros da escola, que proporcionou o aprender efetivo, e principalmente que motivou as nossas crianças a se desenvolverem no aspecto cognitivo, mas também como cidadão.

Finalizando, trago uma citação que fundamenta a avaliação que utilizei com o meu grupo de alunos: A avaliação formativa buscaria, além disso, compreender o funcionamento cognitivo do aluno em face da tarefa proposta. Os dados de interesse prioritário são os que dizem respeitos as representações das tarefas explicitadas pelo aluno e as estratégias ou processos que ele utiliza para chegar a certos resultados. Os “erros” constituem objeto de estudo particular, visto que são reveladores da natureza das representações ou das estratégias elaboradas por ele. A finalidade da recuperação pedagógica será ajudar o aluno a descobrir aspectos pertinentes da tarefa e comprometer-se na construção de uma estratégia mais adequada (SOUZA, 1998, p. 67 apud FILHO, 2012, p. 7).

O texto deste projeto foi enviado pelo autor e é de responsabilidade do autor deste projeto.

Projeto ajuda no desenvolvimento de quais competências?

ConhecimentoComunicaçãoCultura digitalArgumentaçãoAutoconhecimento e autocuidadoEmpatia e cooperaçãoResponsabilidade e cidadaniaPensamento científico, crítico e criativo

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

6 horas diárias

6 horas diárias

Público-alvo do projeto.

Infantil

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

Parque

Escola Pública

Escola Particular

Quantidade adequada de participantes.

19 participantes

19 participantes

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Imprimir Página