Luz, câmara e gravação! origem histórica da cidade de Barra de São Miguel – AL

Charles Quirino da Silva

Luz, câmara e gravação! origem histórica da cidade de Barra de São Miguel – AL

Projeto de Charles Quirino da Silva

Contribuição do projeto para a educação

O Projeto “LUZ, CÂMARA E GRAVAÇÃO: ORIGEM HISTÓRICA DA CIDADE DE BARRA DE SÃO MIGUEL-AL” – trata-se da produção de um FILME ESTUDANTIL titulado como “PARAÍSO AZUL” fruto de um esforço coletivo da Escola Municipal José Vieira de Andrade, da cidade de Barra de São Miguel, Alagoas. O projeto foi desenvolvido pelos alunos do 1o ao 5o ano do Ensino Fundamental. O objetivo maior foi o de resgatar a memória histórica e cultural de nossa pequena cidade litorânea e registrar as descobertas em forma de filme ( média metragem). Assim, por meio deste trabalho foi viabilizado o resgate da diversidade e cidadania da comunidade escolar a partir de atividades interdisciplinares realizadas tanto no ambiente escolar como em diversos cenários de nossa região.

Aspectos curriculares atendidos pelo projeto

O projeto foi pensando justamente para resolver questões pertinentes ao não reconhecimento por parte de nossa sociedade em geral em relação à nossa rica diversidade histórica e cultura, afinal somos a única cidade nordestina, e porque não dizer, do Brasil onde, segundo a história, o famoso Bispo Português Sardinha , 1o bispo do Brasil, foi morto pelos nossos ancestrais indígenas, nação caetés. Aqui em nossa cidade marca o memorável local desse fato. Portanto, os objetivos gerais foram o de: Resgatar a memória  história e cultural da cidade de Barra de São Miguel, Alagoas, inicialmente junto à escola e demais comunidades do município e o de incentivar os alunos, professores e funcionários a produzirem fontes a partir da linguagem- audiovisual de forma que resgatem e divulguem a história local.

Valorização da diversidade e inclusão

O nosso projeto possibilitou a inclusão de todos os alunos da escola, inclusive os com necessidades especiais. Mesmo se tratando de uma instituição escolar simples, pequena, interiorana, pública, sem muitos recursos  tecnológicos, físicos e humanos, ainda com tudo isso a desfavor; sempre foi possível acreditar que tudo era possível; acreditamos que poderíamos dá o melhor para nossos alunos e sociedade barrense. Esse foi nosso maior objetivo. Pela empolgação dos professores, alunos e pais de alunos, ex-alunos cada etapa das tarefas sem tornaram momentos ímpares. Os alunos trabalhos internos de pesquisas, as várias edições, as palestras com representantes da sociedade, os trabalhos de entrevistas, as danças típicas da nossa região, as gravações, as muitíssimas edições e entre outras infinitas atividades possibilitaram a transformação de um espaço totalmente democrático e acolhedor. Nossa maior alegria era continuar e continuar falando de nossas origens históricas, de nossas raízes; falar dos tempos onde o nosso povo podia, até certo momento, viver livres e em harmonia com a nossa mãe natureza. “Paraíso Azul” mostrou que nesse rico contexto de diversidade histórica e cultural todos nós somos índios; todos temos nas veias o sangue de nosso irmãos caetés.

Atividades desenvolvidas no Projeto

O projeto na prática se desenvolveu, basicamente, de acordo com os principais tópicos abaixo:

1. Levantamento do tema e abordagem ( reunião com a comunidade escolar e demais envolvidos);

2. Roda de leitura e estudo da BNCC – Base Nacional Comum Curricular – Alinhamento com o projeto;

3. Divisão de responsabilidades quanto a execução do projeto;

4. Levantamento de possíveis gastos com o projetos;

5. Pesquisa sobre o assunto em diversas fontes: ( Levantamento de fonte confiáveis que trate do assunto);

6. Escolha de recursos tecnológicos apropriados para desenvolvimento crítico e responsável durante as ações previstas: animação, gravação de imagens, entrevistas, mídias, celular, microfone, computadores, etc.;

7. Apresentação do projeto escrito à comunidade escolar;

8. Agendamento e entrevistas a pessoas antigas da região e estudo de pesquisas bibliográficas no assunto;

9. Excussões/ visitas aos lugares históricos de nossa região;

10. Desenvolvimento de atividades sequenciadas na temática no seio escolar: debates, pesquisas, leituras, discussões, artes, ensaios, dança, desenvolvimento de maquetes, mídias em sala, produção de roteiros, aulas de teatro, etc.;

11. Escrita e revisão do roteiro em parceria com os alunos;

12. Criação do storyboard. (Planejamento quadro a quadro do que será filmado e quais recursos serão necessários);

13. Ajustamento de ações: Reunião ou mobilização com toda comunidade escolar: alunos, pais, professores, moradores das redondezas, etc;

14. Confecção das vestimentas necessárias;

15. Elaboração e entrega dos termos de autorização de uso de som e imagem;

16. Escolhas dos cenários;

17- Revisão de roteiro e demais parte necessárias para a gravação;

18. Preparação das filmagens e áudios ;

19. Realização de imagens e áudios;

20. Edição do material;

21.Reunião com equipe responsável: Avaliação final dos resultados;

22. Escolha e colocação de trilhas sonoras legais;

23. Colocação de créditos e agradecimentos;

24. Pré-estreia na escola – Avaliação final;

25. Escolha de um local para estreia;

26. Elaboração e escolha dos canais de propagandas;

27. Convites para autoridades, comunidades escolar e demais sociedade;

28. Apresentação de resultados/ Exibição do filme;

29. Escolha e divulgação do projeto.

Instrumentos utilizados na avaliação

* Pesquisa e campo e bibliográfica;
* Produção individuais e coletivas;
* Apresentação de seminários;
* Relatórios;
* Conselho de classe;
*Ficha de observação;
* Portfólio

Resultado observado

O desempenho dos alunos em todas as áreas de conhecimentos, principalmente em leitura e escrita, foi consideravelmente muito positivo. Pela proposta inovadora da atividade foi possível agregar um número grande de alunos, pais e profissionais da escola no projeto. O resultado dessas iniciativas foram percebidas pelo bom resultado que a escola teve no IDEB.( PROVA SAEB). E também, pela grande aceitação e reconhecimento do valor do projeto pelos próprios moradores da cidade. Na prática apresentamos um projeto escolar que , pela natureza ímpar, impactou toda uma região. A utilização dessas práticas inovadoras na educação possibilitaram diversos benefícios no ensino-aprendizagem de nossos alunos: inclusão escolar, vivência da cidadania, respeito as diversidades sociais, aprendizagem mais flexíveis e abrangentes que contribuam para o desenvolvimento de suas competências socio-emocionais, aperfeiçoamento da leitura escrita, respeito e confiança no processo construtivo educacional, conhecimento e inclusão digital, reconhecimento e valorização ao patrimônio sócio- cultural da cidade; entre outros desempenhos.

O texto deste projeto foi enviado pelo autor e é de responsabilidade do autor deste projeto.

Projeto ajuda no desenvolvimento de quais competências?

ConhecimentoComunicaçãoRepertório cultural

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

80 horas diárias

80 horas diárias

Público-alvo do projeto.

Fundamental II

Horas/Aulas aplicadas ao projeto.

Parque

Escola Pública

Escola Particular

Quantidade adequada de participantes.

200 participantes

200 participantes

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Imprimir Página